O que mudou na etiqueta energética dos eletrodomésticos

A nova etiqueta energética

Aqui no nosso Blog da Compratuled já publicamos sobre vários assuntos: como poupar na fatura da luz e favorecer o medio ambiente, quanto poupam as lâmpadas LED ou como poupar energia no condomínio. No nosso último post falamos sobre as diferentes tarifas de luz e como poupar energia. Escolher eletrodomésticos mais eficientes foi uma das dicas que partilhamos neste último post. Portanto hoje queremos explicar de forma simples como entender a nova etiqueta de eficiência energética e que mudanças se produziram recentemente, a partir de 1 de março deste ano.

A etiqueta energética

A etiqueta energética indica o consumo energético dos eletrodomésticos, promovendo portanto a eficiência e a poupança energética, além de proteger o meio ambiente. A 1 de março de 2021 efetuou-se uma atualização e simplificação desta etiqueta, que é obrigatória na maioria dos eletrodomésticos para torná-la mais clara, compreensível e fácil de entender.

Classificação energética anterior

Os eletrodomésticos que estão obrigados a incluir a etiquetagem energética são os aparelhos de ar condicionado, os esquentadores de água, congeladores e frigoríficos, candeeiros e lâmpadas, fornos, máquinas de lavar e máquinas de secar roupa, máquinas de lavar loiça, televisores e ecrãs.

  • Categorias A+++, A++, A+: Essas eram as etiquetas que representavam o nível mais alto de eficiência energética. Estavam representadas pela cor verde.
  • Categorias A e B: Etiquetas que representavam um consumo moderado de energia, identificadas pelas cores amarelo e laranja.
  • Categorias C e D: Eram as etiquetas que representavam um alto consumo de eletricidade e, portanto, identificavam os aparelhos menos eficientes. Estavam representadas pelas cores laranja escuro e vermelho.

Classificação energética atual

A partir de março de 2021 houve uma mudança nas etiquetas energéticas destes eletrodomésticos para torná-las mais fáceis e compreensíveis para as pessoas. Atualmente está em vigor o novo modelo de etiqueta que agora utiliza uma escala de letras de A a G com as mesmas cores de antes. As primeras letras do alfabeto e as cores verdes indicam uma maior eficiência energética que as etiquetas com as cores quentes, que indican eletrodomésticos de baixa eficiência. Em vista disso:

  • As etiquetas A+++, A++ y A+ desaparecem. Não há uma correspondência clara nem estabelecida entre a etiqueta antiga e a nova.
  • Surgem as novas categorias E, F e G.
  • Por enquanto, nenhum aparelho será classificado com a etiqueta A, uma vez que estas estão reservadas apenas às novas tecnologias mais eficientes que estão por vir.
  • As novas etiquetas devem incorporar um código QR que permita a sua leitura através de smartphones para oferecer informações complementares.
  • Os eletrodomésticos que devem apresentar as novas etiquetas na primeira fase são: frigoríficos, máquinas de lavar loiça, máquina de lavar roupa, televisores, ecrãs e candeeiros/lâmpadas.
  • Esta nova etiqueta não incluirá informação sobre o consumo de energia, mas outros dados como o consumo de água, a capacidade de carga e/ou armazenamento ou o ruído que os eletrodomésticos possam gerar.
  • As informações obrigatórias que devem conter a etiqueta energética são: fabricante, marca, modelo do eletrodoméstico, consumo de energia anual expressado em kWh, tipo de aparelho, ruído expressado em decibéis (dB), classificação segundo a letra (de A a G) e o código QR mencionado anteriormente.

Etiqueta energética x Certificado de eficiência energética

É muito importante não confundir estes dois termos entre si já que possuem significados diferentes:

  • Etiqueta energética: Indica o consumo energético dos eletrodomésticos e vence aos 10 anos a partir da sua emissão. Sendo assim, é aconselhável rever o funcionamento dos aparelhos ao passar este tempo ou substituí-los se for necessário.
  • Certificado de eficiência energética: É um conceito totalmente diferente ao da etiqueta energética. Trata-se de um documento oficial que informa sobre o consumo energético e as emissões de CO2 de um imóvel. Deve ser emitido por um técnico.

Por que escolher eletrodomésticos ou produtos com etiquetas energéticas eficientes

Os eletrodomésticos ou produtos de iluminação mais eficientes, como as lâmpadas LED, geralmente apresentam um preço mais elevado em relação a produtos convencionais como as lâmpadas halógenas, o que significa um investimento inicial maior. Mas em compensação, consomem entre um 25% e um 40% menos que os eletrodomésticos de menor classificação energética, o que significa uma maior poupança na fatura da luz. Devido a que consomem menos energia e recursos, também contribuem ao cuidado com o meio ambiente.

Gostou deste artigo? Esperamos que lhe seja útil.

Deixe-nos um comentário se tem alguma dúvida ou se quer fazer-nos chegar alguma sugestão de tema.

Não se esqueça que pode encontrar-nos nas nossas redes sociais Instagram, Facebook, Pinterest e LinkedIn.

Até o próximo post!

73 Total vistas 1 Hoy

Deixe uma resposta